Notícias

Após desvios, comunidade procopense fiscaliza obras do Colégio Estadual William Madi, no Jardim União


Visão Net

Construção foi retomada em fevereiro com previsão de entrega da escola para o segundo semestre de 2019

Foto: Rubia Pimenta/Divulgação
A obra está entre as investigadas pela Operação Quadro Negro

Desde fevereiro de 2018, quando foram retomadas as obras da nova sede do Colégio Estadual William Madi, no Jardim União, em Cornélio Procópio, os trabalhadores convivem com alguns "fiscais" diferenciados, que sempre caminham pelo canteiro.

"Após a divulgação dos escândalos de desvio de verbas da escola, a comunidade se mobilizou para evitar que o fato se repetisse. Hoje a direção da instituição, os membros do Conselho Escolar, composto por professores, funcionários e pessoas da comunidade externa, observam de perto o andamento da construção", conta a diretora do colégio, Regina Michelato da Silva.

Segundo ela, a transparência atual é diferente de quando iniciaram as obras, em 2014.

"Na época eles taparam tudo ao redor. Não tínhamos acesso, não nos davam informação", lembra a diretora, que é a principal fiscal, ao lado do engenheiro civil do NRE (Núcleo Regional de Educação) de Cornélio Procópio, Ivan Barreto, responsável pela execução do projeto.

O governo do Estado destinou R$ 4,4 milhões para a retomada das obras do colégio. Os R$ 4,1 milhões desviados ainda não foram recuperados. Conforme a engenheira civil que auxilia na execução, Aline Alves Pereira, a nova empreiteira encontrou edificações precárias (embora no papel acusasse conclusão de 99% do projeto).

"Pouca coisa do que havia sido construído foi aproveitado. Os pilares tiveram que ser demolidos, pois foram feitos com concreto de má qualidade. Comprometeria a estrutura futuramente, podendo causar sérios acidentes".

Hoje 4,4% da obra já foi efetivada. A previsão é que a escola esteja concluída no segundo semestre de 2019, devendo atender 350 estudantes.

"Estamos felizes por este sonho estar se realizando, mas não deixamos de cobrar a continuidade das investigações. Para onde foi o dinheiro desviado? Os responsáveis serão punidos?", pergunta a pedagoga do colégio, Elisângela Cândido.

O secretário da instituição, Rogério Calandro Lopes, frisa que se não fosse a corrupção, o colégio estaria, desde 2015, atendendo centenas de jovens.

"Esse projeto prevê ensino médio e profissionalizante para a comunidade mais carente da cidade. Hoje, muitos não conseguem fazer os estudos complementares no Centro, pois os colégios são distantes. Se a nossa escola já estivesse pronta, teríamos evitado várias evasões".

A Escola Estadual William Madi atende 135 alunos de Cornélio Procópio, e é a única com ensino integral no 6º e 7° anos. Desde sua criação, funciona em seis salas no Caic (Centro de Atendimento Integral à Criança), no Jardim União, dividindo espaço com 400 alunos de creche, ensino fundamental e um posto de saúde.

O projeto em construção prevê uma estrutura de 2,9 mil m² para ampliar o ensino integral, incluir o médio e profissionalizante, dois pavilhões com 14 salas de aula, laboratório de informática, ciências, biblioteca, ambiente para repouso, sala de artes, refeitório, local para banho, quadra poliesportiva, entre outros.

 

 


Fonte: *Redação Cornélio Notícias, com reportagem de Rubia Pimenta para a Folha de Londrina


Leilão outubro 2018

Comente utilizando seu facebook