Notícias

Mãe relata sobre discriminação em relação a família que pode ter contraído Convid-19


Brasil Net

Graziella Bonessso Lagana, moradora de Andirá, relatou que postou um vídeo informando sobre o fato, o que desencadeou mensagens de apoio, mas também críticas

Foto: CN
Graziella disse que o filho esteve com um amigo diagnosticado com a doença

No início da tarde quarta-feira (27), em entrevista exclusiva ao repórter Bruno Magalhães em Live no Facebook da Rádio Graúna como radialista Alysson Cordeiro, em Cornélio Procópio, a policial civil Graziella Bonessso Lagana, moradora da cidade de Andirá e que trabalha em Nova Fátima, falou sobre o preconceito que a família vem sofrendo após ficar sabendo que pode ter contraído o vírus do Covid-19  e relatar o caso nas redes sociais.

Segundo Graziela, que já foi moradora de Cornélio Procópio, seu filho teve contato com um amigo, que já estava em quarentena após a mãe ser diagnosticada com Covid-19, que não avisou e convidou o jovem a ir até a sua casa para fumar narguilé.

Posteriormente o amigo do filho foi diagnosticado com a doença e ao saber disso, Graziela disse que rapidamente procurou ajuda médica e postou nas redes sociais um vídeo, que até aqui teve mais de 25 mil visualizações, alertando que poderia estar com o vírus, que desencadeou uma série de mensagens de apoio, mas também críticas e julgamentos preconceituosos.

Ela disse que os membros da sua família foram rapidamente isolados e passam bem, que todos estão sendo monitorados pela saúde pública e que aguarda o resultado dos exames.

Ela encerrou afirmando que “a saúde deve sim revelar a identidade de infectados, embora a discriminação pela qual a família vêm sofrendo será difícil de superar” e que as pessoas precisam conhecer mais a fundo a doença antes de tomarem suas próprias conclusões, que geram preconceito e desinformação, sendo o mais importante o serviço de orientação para se tomar os devidos cuidados e evitar a disseminação do vírus, como ela tentou fazer postando o vídeo e que todos deveriam agir de forma franca e coerente para evitar o contágio, como também barrar  o preconceito e a segregação, que causa mais mal que qualquer enfermidade.

 

Assista a live da Rádio Graúna:

 

CN INSTITUCIONAL


Fonte: *Redação Cornélio Notícias
Novidades Faccrei